Do inverno ao verão, oito picos fazem de Itacaré a capital brasileira do surf, vocação confirmada com a realização de uma etapa do World Surf League, na Praia de Tiririca, de 26 a 29 de outubro.


Quem entende de surf afirma sem hesitar: Itacaré é bom para surfar o ano todo, principalmente para quem sabe aproveitar as características de cada estação. A vocação para o esporte - consolidada graças a volta ao circuito mundial, com  a etapa do World Surf League, na Praia de Tiririca, de 26 a 29 de outubro -  vem do clima favorável, do relevo submarino e da geografia litorânea de mar aberto. 

No verão, ondas pequenas e águas quentes abrem espaço para que surfistas iniciantes invadam a cidade. É a época de maior “crowd” de turistas. No outono, a quantidade de pessoas diminui, as ondas crescem um pouco e começam alguns períodos de “swells”, aquela ondulação no mar contínua e sem ruídos, ideal para a prática do surf. 

As ondas grandes, de até 3 metros, aparecem no inverno, quando a água dá uma esfriada e pede uso de lycra ou colete neoprene. A cidade recebe surfistas de todas as partes e o mar traz boas ondas todos os dias. Na primavera, as ondas começam a diminuir e ficam ideais para tubos perfeitos

Os oito picos que fazem de Itacaré a cidade do surf também são escolhidos pelas peculiaridades. Pontal e Boca da Barra, por exemplo, não são para  novatos. A Prainha pode oferecer ondas clássicas de esquerda e direita para quem tiver sorte. A praia de Corais proporciona tubos inesquecíveis e Engenhoca é o pico principal para longboard. E a lista segue com Itacarezinho, Tiririca e Jeribucaçu. Quer saber detalhes técnicos? Visite o site www.itacare.surf.